domingo, 21 de dezembro de 2014

So winter, so warm...Merry everything..


E naquele fim de tarde de inverno, em que a lareira sabe a paraíso, a ti me chego em sorriso.
E o teu pé frio ao meu puxo, quentinho, sussurro-te baixinho, nesse recanto tão diferente..Fazia tudo igual..novamente. 


domingo, 2 de novembro de 2014

I think...

I think in your eyes, and my mind says "so tender"..
I think in your lips, and my body says "so exciting"..
I think in your chest, and my skin says "desire"...
I stop at the traffic lights, and i whatch the world outside..
so many rush, cold faces,money, poverty..Dump.
And i come back inside of me. I think in your warm and suffering hands, and my soul says..if he jumps,..i Jump.

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

...
Broken Bridge

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Time To Go...

domingo, 10 de agosto de 2014


If my crime is to love you..so i´ll die as a warrior.






















segunda-feira, 14 de julho de 2014

Lembro...

Lembro de quando partiste, do que via e o que em mim viste.
Reboliço e frenesim no cais, naus, tantas, tantas e outras tantas mais.
Mas lembro que não as contei, apenas numa me fixei. Dançava já em ameaça, de me levar o peito e deixar dor que não passa.
Lembro de quando partiste, de te aperceberes do que em mim viste, pois na direção do desconhecido sorriste.
Sabias que sentiria dor por te ver zarpar, sem tempo certo, se é que seria certo o teu regressar, mas sabias que mais iria doer, saber-te preso em terra só para que não viesse a sofrer.
Lembro de quando partiste, abençoei as ondas com doce maré, agarraste a liberdade e a coragem, outros se agarraram á fé.
Lembro quando já longe me acenaste e eu me inclinei. Não, não me lancei ao mar, foi do chão que o teu dobrão apanhei..mas tu pensaste que desisti ali da vida e não voltaste, mas por ambos sempre voltei.

segunda-feira, 28 de abril de 2014

The gate...


What a strange joy in my chest, what a pain that doesn´t hurts right now.
What a anger is making me fly, and i don´t know how.
I breathe the air which approaches, so fast, disguised as a storm, deep blue and black.
I slow down for a moment, but i hear the wind says, " don´t look back, don´t look back".
So i let myself go, far away, reaching the hills,..my hills, above the rivers, through another sky.
Fatally injured, and not even know why.
Yes, I think I could already smell the fields of sunset into my world...
Once inside and i no longer return. There´s no suffering, no cruelty,  no time, ther´s no "to feel", no fate.
Ohh, i think that your meanness no longer will reach me, because i´m already getting the gate.

quinta-feira, 6 de março de 2014

Like a Tree...

I´m a tree, i´m a shadow in the floor.
I´m the wind, i´m the path to my world.
I´m the forever and the no more...

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Old Old Bridge...