quinta-feira, 29 de julho de 2010

Só há dois dias no ano em que nada pode ser feito...

...um chama-se ontem e o outro amanhã, por isso hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver...


Por vezes as respostas chegam até nós, quando já não precisamos delas...

terça-feira, 27 de julho de 2010

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Hold out...

" Como num rio,  vou na corrente,
mas, em sentido diferente,
de toda esta gente.
Será que um dia me vão entender,
com o silêncio, perceber,
que é melhor matar-me, para não morrer?
É assustador ver-me enlouquecer...
quando sei que eu é que estou certa,
neste mundo demente e de alma deserta,
onde a emoção fere como uma seta.
Se estás aí, aperta-me sem receio,
pois sou capaz de quebrar ao meio,
quando o caminho é escuro e feio.
Começa a juntar cada parte de mim,
para que eu volte a ser assim...
o ser que acredita, que nada tem fim.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

The war is over...but the warrior inside, never dies...

Tell me...



Now, i need to feel that you fight for me, reach me, or i´ll fall asleep, once again, and just awake into my world...
 

segunda-feira, 19 de julho de 2010

...despite, my fear of thunder...i feel protection.

  
  

...forever...






Se pudesse viver para sempre, viveria para fazer sorrir as pessoas que amo e mesmo as que não conheço.
Pelas ruas, viveria eternamente com um sorriso no rosto, na procura de o reflectir em cada ser que comigo se cruzasse.
Mas, será que estou já a viver para sempre?
É que, tudo do qual me apercebo, é que já vivo para tal sorrir...porque nada me faz sentir mais viva, do que saber que fiz alguém sorrir...

Angel of mine...

domingo, 18 de julho de 2010

...para ti suke...








" Os amigos não se fazem,...reconhecem-se "

 (Vinicius De Moraes)

sábado, 17 de julho de 2010

sexta-feira, 16 de julho de 2010

quinta-feira, 15 de julho de 2010

segunda-feira, 12 de julho de 2010

...i am not her...

Reflexos como brumas e cristais, caiem á minha volta,...nada mais.
O espelho devolve a imagem que vês.
Mas o espelho não consegue reflectir a alma que lês.
"Eu não sou ela", diz a voz que me sopra na mente.
"Eu não sou ela", grito...vejo-te de repente.
Silencioso, na penumbra da minha sombra reflectida.
Também no espelho, a tua imagem definida.
Voz suave que se aproxima, voz que me diz ser amarga, e não bela...
Mas eu não sou ela, eu não sou ela...

...a person are not disposable...

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Uma vez, pedi um autógrafo a Deus,...Ele, deu-m este...

( Parque Nacional da Peneda Gerês...my sanctuary... )

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Ladymoon...










Poderosa, feitiço sereno, a nossa lua, o meu "infinito", o teu "sempre eterno"...

Por onde...

Por onde ando, ninguém consegue saber.
Ainda trago no cabelo o cheiro a noite e brisa do mar.
Por onde ando, ninguém consegue saber.
Ainda tenho nos pés o pó, dos trilhos, por onde me deixei caminhar.
Por onde ando, ninguém consegue saber.
Ainda vejo o reflexo da lua na minha sombra, como miragem.
Por onde ando, ninguém consegue saber.
Ainda sinto na pele, o cheiro forte da erva selvagem. 
Por onde ando, ninguém consegue saber,
por mais que fique perto.
Por onde ando, ninguém consegue ver...
porque só eu tenho a chave deste mundo secreto.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

...you told me so...

Homem estátua...

A noite já se tinha abatido sobre a cidade, mas nem assim o calor que se fez sentir durante o dia, esmoreceu. As pessoas enchiam a praça, uma fila de carros obrigou-me a parar, nesse instante olhei para o lado e vi um homem estátua, pensei: "Com este calor, como é possível aguentar-se imóvel e com um fato de "fantasma" destes?". Despontou em mim um respeito e admiração por aquela arte e sorri-lhe. O homem estátua disse-me um tímido adeus e colocou a mão sobre o coração, como se sentisse a minha melancolia. Avancei, vendo-o cada vez mais distante pelo espelho retrovisor. Ia dirigir-me a casa, mas num impulso dei meia volta, novamente contornei a praça, parei em frente da rua onde o homem estátua estava, bati a porta e fui na sua direcção, parei a olhá-lo...ele, imóvel, fez um sorriso quase imperceptível, tirei uma moeda do bolso para colocar no pequeno vaso que se encontrava a seu lado, no chão., mas, ele segurou-me a mão, recusou e num truque, certamente, fruto de largo treino e experiência, fez surgir um pequeno rebuçado em forma de flor e ofereceu-me...sorri-lhe, desta vez um largo sorriso. As pessoas continuavam a passar de um lado para o outro, enquanto dois seres faziam acontecer o que tantas vezes nos passa despercebido, a força de um sorriso. Vim embora, com o coração cheio de uma alegria serena, pacifica. Não faço ideia de quem é o homem estátua por debaixo do disfarce, ele não faz ideia de quem sou, provavelmente, não o voltarei a ver ou até poderei cruzar-me com ele sem saber, mas o sorriso ficará para sempre...
Olhem mais vezes para o lado, nunca neguem um sorriso, porque o que evita a guerra entre os homens não é o assinar um papel com um aperto frio de mão, é um sorriso, sem intenções, sem reservas, só com a certeza que todos somos importantes, nem mais, nem menos que ninguém...somos todos parte de um mesmo sistema apesar das nossas diferenças. Sorriam...